Resenha: Jogador N° 1 de Ernest Cline


Título: Jogador N° 1
Autor: Ernest Cline
ISBN: 9788580442687
Editora: Leya
Número de Páginas: 464
Onde Comprar: AQUI




Sinopse: Cinco estranhos e uma coisa em comum: a caça ao tesouro. Achar as pistas nesta guerra definirá o destino da humanidade. Em um futuro não muito distante, as pessoas abriram mão da vida real para viver em uma plataforma chamada Oasis. Neste mundo distópico, pistas são deixadas pelo criador do programa e quem achá-las herdará toda a sua fortuna. Como a maior parte da humanidade, o jovem Wade Watts escapa de sua miséria em Oasis. Mas ter achado a primeira pista para o tesouro deixou sua vida bastante complicada. De repente, parece que o mundo inteiro acompanha seus passos, e outros competidores se juntam à caçada. Só ele sabe onde encontrar as outras pistas: filmes, séries e músicas de uma época que o mundo era um bom lugar para viver. Para Wade, o que resta é vencer – pois esta é a única chance de sobrevivência. A vida, os perigos, e o amor agora estão mais reais do que nunca. 

"O ser humano é uma porcaria na maior parte do tempo. Os videogames são a única coisa que tornam a vida suportável. Almanaque de Anarok, Capítulo 91, versos 1-2" [Página 19]
Halliday é um gênio criador do maior vídeogame de realidade virtual de todos os tempos chamado OASIS. As pessoas "vivem" literalmente no OASIS fazendo tudo o que supõe fazer na vida real e muito mais. Até que um dia ele morre deixando seu último jogo: encontrar O Easter Egg (é como uma pista escondida dentro de um game) dentro do mundo virtual que ele criou tendo como prêmio toda sua fortuna e se tornar dono do OASIS.

Assim, a busca mundial pelo Easter Egg começa e como não tem nenhum resultado relevante em anos, a maior parte das pessoas se esqueceram da Caça. Até que um caça-ovos (como são chamados as pessoas que vão atrás do Easter Egg) chamado Wade (ou Parzival, nome do seu avatar no OASIS) acha a primeira das 3 chaves que levarão ao prêmio e coloca sua vida em risco ao reativar com força total a caça.

A sinopse deu o ar de um mundo quase pós-apocalíptico mas não é bem assim. Eu vi como um futuro distante em que a tecnologia evoluiu muito, o efeito estufa e a economia global seguiram seu curso. O livro é dividido em 3 partes (níveis), que correspondem as 3 chaves a serem achadas. Os dois primeiros enigmas das chaves eu tinha uma idéia do que era e até consegui descobrir, mas o terceiro não deu mesmo. E os games que o autor "criou" em seu livro eu queria muito ter jogado, apesar de que se tivesse que fazer o concurso para conseguir as 3 chaves do portão se o jogo fosse real não conseguiria mesmo...

O autor criou um universo do jogo bem complexo, teve que dedicar pelo menos a maior parte até a página 100 explicando o jogo e mostrando os progressos do protagonista para fundamentar a história. Então a ação começa. Isso não me incomodou porque o jogo é o principal fator que vai impulsionar as atitudes de todos os personagens na história e o leitor tinha que entender bem como funcionava.

Wade/Parzival é um rapaz comum de 17 anos viciado no OASIS. Ele sabe que foge da realidade no mundo virtual onde todos podem ser o que quiserem e tem na caça ao Easter Egg seu objetivo para mudar a sua realidade. Só que apesar de toda a empolgação ele é um avatar pobre que não tem dinheiro para armas, naves espaciais ou pagar taxas de tele-transporte para os diversos mundos do OASIS. O que mais gostei no Wade foi ver as coisas como elas são (depois de quebrar a cara) e tentar superar isso. No OASIS ele tem como melhor amigo Aech, um avatar famoso, rico e caça-ovo. Gostei como como a amizade dos dois evoluiu passando por diversas fases.

Outra caça-ovos presente é Art3mis, por quem Wade nutre um amor platônico virtual. Ela é muito centrada no seu objetivo de caça-ovo e também é um avatar famoso. Sua amizade com Parzival traz a tona lados bons e ruins dos dois. Destaque também para os avatares japoneses de Shoto e Daito, que cresceram muito ao longo da história. 

Os inimigos principais de todo dos caça-ovos é os Seis. Controlados pela IOI (Innovative Online Industries), eles são um grupo de avatars com mesmo rosto e roupas com nome genérico (qualquer semelhança com Sr. Anderson de Matrix não é mera coincidência, HAHA) que quer controle do OASIS e cobrar uma taxa alta para terem acesso (o acesso ao OASIS é gratuito para todos). Nolan Sorrento (IOI-655321) é o principal perseguidor de Parzival.
"Minha geração não sabia como era o mundo sem o OASIS. Para nós, ele era muito mais que um jogo ou uma plataforma de entretenimento. Sempre tinha sido parte da nossas vida. Havíamos nascido em um em um mundo feio, e o OASIS era nosso refúgio de felicidade. Só pensar que o simulador poderia ser privatizado e homogeneizado pela IOI nos deixava horrorizados, de um modo que as pessoas nascidas antes do OASIS não conseguiam entender. Para nós, era como se alguém ameaçasse levar embora o Sol eeou cobrar uma taxa de quem quisesse olhar para o céu." [Página 48]
O livro tem MUITAS referências a games, filmes, séries, músicas e outras coisas dos anos 80, período preferido de Halliday. O Halliday era meio psicótico, fez literalmente todo o mundo a conhecer os anos 80 por causa do jogo. Seu avatar é o grande mago Anorak (só eu que vi um pouco do Mago Negro de Yu-Gi-Oh nele?). Aliás, foi impossível não associar amizade/sociedade nos negócios de Halliday e Og com Steve Jobs e Stephen Wozniak.

Na parte dos filmes até que eu tinha visto uma boa parte, mas na dos jogos fiquei com cara de paisagem e nem valia a pena parar a leitura toda hora para ficar pesquisando no google (marquei tudo com post-its para ver depois)... Dica: Se vocês puderem ver os filmes Jogos de Guerra (1983) e Blade Runner - O Caçador de Androides (1982) antes de ler o livro, vai ajudar muito. ;D




Meu livro depois de lido: Post-it verde para quotes e rosa para algumas referências

Bom, não estamos longe de viver em um mundo em que a realidade virtual dominará a maior parte das vidas das pessoas, a ponto de que muitos escolherão viver nela que na própria realidade. O que me deixou surpresa foi que a internet em geral já produz muitos dos comportamentos descritos no livro em consequência do OASIS agora no presente. Para mim o mundo virtual abriu muitas oportunidades mas viver a realidade é ainda melhor!
"Não sou louco pela realidade, mas ainda é o único lugar com uma refeição decente. Groucho Marx" [Página 213]
A capa brasileira é muito melhor que a americana. Mostra uma tela simples de um game quando tudo era só quadradinhos sem toda a tecnologia gráfica de hoje com o Número 1 que tem muito a ver com a história mais de uma maneira.

Capa original dos EUA
"A mensagen havia sido incluída na sequência de login pelo próprio James Halliday, quando programou o OASIS pela primeira vz, como homenagem aos ancestrais diretos da simulação, os videogames operados por moedas de sua juventude. As três palavras eram sempre a última coisa que um usuário do OASIS  via antes de sair do mundo real para entrar no mundo virtual: JOGADOR NÚMERO 1" [Página 37]

O livro é realmente quase perfeito. Quase porque apesar da história super bem amarrada, o autor deixou de explicar algo. Não fez diferença no enredo em si mas a minha curiosidade ficou. Este livro não é uma série, então nada de respostas no próximo volume.

Os direitos para fazer um filme do livro já foram vendidos para a Warner. Eu acho que vão estragar algumas coisas que senti ao ler o livro e se tiver um diretor como o que fez O Ladrão de Raios pior ainda. Espero que o livro tenha sorte e mantenham o máximo possível de fidelidade. Tremo em pensar na qualidade dos efeitos especiais...

Bom, recomendo muito vocês lerem este livro. Se ainda não estão convencidos (sem pressão, HAHA), saibam que este livro foi um dos melhores que li em 2012 e foi para minha lista de preferidos. Venha ser um Jogador N° 1 também!


Visitem o site do autor e vejam o layout bem diferente dele: http://www.ernestcline.com/

PS.: O nome do cara tinha que ser também Halliday, o famoso autor livro de terror de Física 1, 2, 3 da faculdade? #Tenso


Beijos, Érica Marts


10 comentários:

  1. Rosângela Andréia6 de setembro de 2012 13:51

    Ah! Esse livro está na minha lista de leituras já faz um tempinho! Me interessei justamente pelas referências ao mundo gamer =P Tenho visto poucas resenhas...mas pela sua já dá pra ver que não vou me arrepender mesmo, visto que é quase perfeito (e eu acredito!)! haha
    É...eu sempre temo as adaptações... E pelo tipo de história de "Jogador número 1" dá pra ficar ainda mais receosa =S

    ResponderExcluir
  2. Genteee... A quantidade de quotes que você marcou no livro... kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    E eu pensei que eu fosse doida porque saia marcando um monte de coisa no livro. (Não estou te chamando de doida viu! Achei um máximo isso)
    Adoreiii a resenha! Ainda nao tinha tido coragem de ler esse livro.


    www.terradecarol.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. OMG, as páginas ficara rosas, haha...


    Como eu não conhecia esse livro?? Ele é o meu tipo de leitura favorito... Mas essa capa, cof cof. Estranha !!


    Gosto dessas coisas ficcionais, principalmente realidade virtual !!
    Ótima resenha :)


    Beijos
    http://secretsentreamigas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Já tinha adicionado esse livro a minha lista de leituras, mas nunca havia realmente lido uma resenha inteira sobre ele, e amei sua resenha Érica!
    Realmente o livro pareceu ser super interessante, já vou correr para assistir os filmes que vc indicou antes de ler o livro :)


    Beijos,


    Gabi
    Mundo Platônico - http://gabiiem.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Nossa como você marcou "pouca" coisa no livro hein? rsrs
    Estou bem ansiosa para ler e espero ter a oportunidade em breve.
    Quando a Leya colocou ele na lista eu acabei solicitando Adormecida que também é uma distopia.
    Espero que eles não estraguem o filme, ultimamente as adaptações estão um horror.

    bjs
    Tais
    http://www.leitorafashion.com.br

    ResponderExcluir
  6. Gente, que livro massa!!! *_*

    Me lembrou ligeiramente o filme Existenz, só que o filme me faz ficar confusa quanto ao que é real e o que é jogo, espero que o livro não seja assim. Eu já estava pensando em coloca-lo na lista de desejados, mas agora ele com certeza vai parar lá!


    =*

    ResponderExcluir
  7. Gostei da resenha, acho que vou ler o livro ^^

    ResponderExcluir
  8. Meu Deus, que resenha boa!!!
    Pela sinopse eu comecei a achar que era algum tipo de 'Jogos Vorazes' (não que eu tenha lido)... E sua resenha deu mesmo muita, muita, muita vontade de ler! (Pena que dinheiro que é bom, eu não tenho -.-').
    Mas quando der eu leio; parabéns pela resenha!

    ResponderExcluir
  9. Parabéns pela resenha, descreveu muito bem a emoção ao ler o livro, igual que eu estou sentindo na minha leitura.. Ainda não terminei de ler, tou no finalzinho, mas já posso dizer que foi o melhor livro que já li esse ano, melhor até que o Dança dos Dragões.

    ResponderExcluir

Related Posts with Thumbnails