Resenha: Wyrmeweald - O Tesouro dos Pródigos de Paul Stewart e Chris Riddell


Título: Wyrmeweald - O Tesouro dos Pródigos (Wyrmeweald #1)
Autores: Paul Stewart e Chris Riddell
ISBN: 9788516065317
Editora: iD
Número de Páginas: 432
Onde Comprar: AQUI


Sinopse: Micah, um jovem explorador, está decidido a encontrar sua fortuna e parte em uma busca nas terras altas do Wyrmeweald. O local é habitado por Wyrmes, criaturas ferozes e apavorantes, e oferece muitos perigos aos que o atravessam. Embora não seja um lugar para seres humanos, Micah encontra ali companheiros e inimigos para a vida toda, além de descobrir algo mais cobiçado que qualquer Tesouro dos Pródigos. Um único ato impensado pode transformá-lo em vilão; porém, no Wyrmeweald, sempre há uma chance de se tornar herói…

Micah é um puxador de arado pobre e vive num regime de semi-escravidão numa fazenda. Ele quer mudar de vida vida partindo para Wyrmeweald, ficar rico e conquistar a garota que ama (que nem o merece). Mas Wyrmeweald é uma terra montanhosa selvagem em que vivem os kins, kiths e wyrmes. O clã dos kins são pessoas que por causa de um pacto podem montar poderosos Wyrmes brancos. Os keth são caçadores de wyrmers. E os Wyrmes são criaturas diversas que povoam todo o Wyrmeweald. Lá a água é escassa e não faltam pessoas querendo se dar bem nem que tenham que matar, roubar, etc.

Então Micah tem sorte ao ter sua vida salva por Eli, um dos poucos wymerkith que não é cruel e sobrevive sendo o mais justo possível. Micah acaba se tornando uma espécie de aprendiz dele. Até que um dia numa das suas viagens eles encontram Thrace, uma jovem e bela Wyrmekin...que odeia os wyrmekith.

Gostei muito do Micah, ele quer progredir na vida mas não a qualquer preço. E o Eli é um bom homem. Já a Thrace odeia com razão os kith. Já deu para perceber que rola um clima entre ela e o Micah né? kkk

"- E ainda sim você fica olhando para mim.
- É mais forte do que eu..." [Página 309]

A sinopse pode parecer uma história de caça ao tesouro mas não é extamente isso. E o tal tesouro era algo que não imaginava.

A trama do livro é muito interessante e tem um ritmo lento e só depois da página 100 começou a se desenvolver legal e a explicar melhor algumas coisas. Mas meu problema maior foi com a narrativa feita pelos autores. Cada capítulo alternava o que acontecia com o protagonista e outras personagens em locais diferentes, tornado alguns momentos confusos. No começo então, fiquei com cara de paisagem porque cada capítulo era sobre o que acontecia com o Micah no presente e no outro o que aconteceu com ele até chegar onde estava.

Em muitos momentos me senti como Micah, que ia descobrindo os segredos do Wyrmeweald, que tem uma sociedade toda voltada para os wyrmes, que são a principal fonte de vida dos humanos que vivem lá. Já o local onde os vivia Micah são as planícies, lá wyrmes não vivem naturalmente por que eles estão acostumados a altas altitudes. Viver lá os mataria lentamente. O mesmo acontece com os animais típicos das planícies (burros, cavalos, etc) que não sobrevivem em Wyrmeweald por causa da altitude. Então daí o fato de esses 2 lugares não se misturarem muito.

Um destaque são os desenhos que ilustram o livro. São muito detalhadas e lindos em preto e branco. Algumas são páginas inteiras (bem poucos) retratando como são os wyrmes (nem minha imaginação poderia tentar recriar aquela criatura somente lendo) e outras ilustram alguma cena no começo de capa todos os capítulos (retângulo para o tempo presente e quadrado para o passado de Micah).
Clique Para Ampliar

A capa (a mesma que a dos EUA) é linda e o Wyrme tem detalhes em prateados que brilham discretamente na luz. A jovem montada no Wyrmer branco é a Thrace.

Recomendo o livro e sobre a enrolação da narrativa, uma vez que se saibam que o livro tem essa estrutura de mudar o foco várias vezes (eu não sabia), acredito que não terão dificuldades na leitura.

O segundo livro da trilogia foi lançado em fevereiro deste ano no EUA (Wyrmeweald: Bloodhoney) e não tem previsão de quando será publicado no Brasil. Não vejo a hora de lê-lo já que no Goodreads ele tem a classificação de 5 estrelas (maior que desse livro).

Beijos, Érica Marts


7 comentários:

  1. Isabelle Vitorino1 de junho de 2012 11:45

    O livro parece ser bem bacana, adoro histórias com esse tipo de trama, uma coisa que me deixou receosa foi o fato dele ter um desenvolvimento mais lento, apesar de que de um modo ou de outro, às vezes esse tipo de leitura surpreende, como em A Hospedeira de Stephanie Meyer. Mas, é claro que se eu tiver a oportunidade o lerei com certeza!

    Beijos!

    P.S. Por incrível que pareça, lendo sua resenha, lembrei que eu não tenho nenhum livro da editora iD...

    ResponderExcluir
  2. Ficou legal a resenha.
    É a primeira vez que eu leio algo sobre esse livro e já coloquei na minha listinha para ler.
    A sinopse passa a ideia de que a história do livro é diferente. 
    Gostei dos desenhos das criaturas do livro.
    Bjins.
     

    ResponderExcluir
  3. Já tinha visto a capa desse livro, mas nunca me interessei realmente por ele. Agora que li a resenha é que não o quero mesmo, embora seja bonito pelos desenhos, essa confusão deve ser bem chata e ainda com o ritmo lento do livro... fica bem difícil! 

    ResponderExcluir
  4. Vanilda Procopio3 de junho de 2012 20:48

    Parece ser um livro interessante, ainda não havia lido nada sobre ele. A diagramação parece ser muito bem feita. Um livro bem bonito.

    ResponderExcluir
  5. Gostei do tema. Saí um pouco de vampiros, e nos colocar em outro mundo diferente. O colocarei na lista de espera.

    soniacarmo
    retalhosnomundo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Achei a capa super incrível, e gostei da resenha. Eu adoro livros de fantasia, é meu gênero preferido, e tô sempre procurando por novidades. Mesmo que a narrativa seja meio confusa - eu até gosto de coisas meio non sense, rs - tomara que eu tenha a oportunidade de ler...

    ResponderExcluir
  7. Gostei do estilo do livro. Parece mais fora do padrão, algo mais criativo. Acho que são coisas como essa que faltam no mundo da fantasia. Eu sei que parece estranho, mas gosto de quando o livro tem uma narrativa diferente, o torna especial

    ResponderExcluir

Related Posts with Thumbnails